Livros

Ler, ler, ler, viver a vida que outros sonharam

Sociologia – sua bússola para um novo mundo

| 1 Comentário

Autor: BRYM, ROBERT J.
Autor: LIE, JOHN
Autor: HAMLI, CYNTHIA LINS
Editora: THOMSON PIONEIRA
Assunto: CIENCIAS SOCIAIS-SOCIOLOGIA
ISBN : 8522104670
ISBN-13: 9788522104673
Livro em português
Brochura
1ª Edição – 2006 – 610 pág.

“Sociologia: Sua Bússola para um Novo Mundo” enfatiza quatro aspectos principais, em sua maioria ausentes nos livros-texto de introdução à sociologia disponíveis no mercado editorial brasileiro: o estabelecimento de conexões entre o indivíduo e o mundo social; a ênfase no “como pensar” sociologicamente e não no “o que pensar”; a diversidade de uma perspectiva global; e aspectos contemporâneos da sociedade brasileira. Neste livro, é utilizada uma série de recursos pedagógicos e metodológicos, como a introdução de histórias pessoais dos autores, seções relativas a políticas sociais contemporâneas, descrição de padrões sociais que levam ao questionamento da posição que o aluno ocupa na sociedade etc.

O Primeiro capítulo encontra-se disponível no site da editora. Clique aqui para ler.

 

============

Resenha:

Pistas da sociologia para um século atormentado

Ricardo Antunes

Robert BRYM, John LIE, Cynthia Lins HAMLIN, Remo MUTZENBERG, Eliane Veras SOARES & Heraldo SOUTO MAIOR. Sociologia: sua bússola para um novo mundo. São Paulo, Thomson, 2006. 609 páginas.

Recentemente, o Conselho Nacional de Educação aprovou a volta do ensino de sociologia e filosofia para o ensino médio no Brasil. A decisão, auspiciosa, poderá possibilitar, em breve tempo, um estudo mais humanista e crítico que, de certo modo, contrasta com a razão instrumental que preside a sociabilidade contemporânea, na qual as chamadas “regras do mercado” têm tido cada vez mais prevalência, inclusive no âmbito educacional. Teremos, então, uma real retomada dos estudos de sociologia e filosofia em nossas escolas. O que nos obriga, nas universidades, a formar melhores sociólogos e filósofos.

Se já temos aqui publicado várias obras de muitos dos autores clássicos das ciências sociais, com boas edições e mesmo traduções, se já podemos consultar o denso Dicionário do pensamento social do século XX (organizado por William Outhwaite, Tom Bottomore et al., publicado pela Jorge Zahar Editor), agora, em boa hora, podemos saudar este novo livro que acaba de ser publicado no Brasil. Sociologia: sua bússola para um novo mundo é um empreendimento intelectual de fôlego: em suas mais de seiscentas páginas, oferece um panorama abrangente, complexo e heterogêneo das incontáveis questões, desafios, dilemas e problemas nestes conturbados séculos, o XX que já se foi e o XXI que acaba de principiar.

Desde logo seus autores mostram que o projeto do livro, entretanto, tem claro contraste com as enciclopédias. Se estas ensinam o que pensar sobre tantos temas, este novo livro pretende demonstrar como os sociólogos formulam suas questões e indagações e, desse modo, possibilitar que as respostas sejam encontradas pelos leitores/as.

Embora seu desenho apresente a formatação de algum modo aparentada com as enciclopédias (sumário, glossário, objetivos de cada capítulo, questões para a reflexão) acrescentam que a sua “[…] novidade refere-se ao espaço dedicado à demonstração de como os sociólogos pensam. Em diversas ocasiões damos exemplos anedóticos a fim de enfatizar a importância de um tema”. E acrescentam: “Também apresentamos interpretações conflitantes, para uma mesma questão e diversos dados que avaliam os méritos de cada uma. Não apenas nos referimos a tabelas e gráficos, mas os analisamos. Quando as evidências permitem, rejeitamos algumas teorias e corroboramos outras. Assim, muitas seções deste livro podem ser lidas não como verbetes de enciclopédia, mas como se fossem artigos de jornal, embora sociologicamente fundamentados. Se tudo isso lhe parece próximo ao que os sociólogos fazem em sua vida profissional, então teremos alcançado nosso objetivo: apresentar a prática sociológica de maneira menos asséptica, mais realista e, portanto, mais atraente” (p. 21). Mostrar, então, como se desenham os “mapas sociológicos” capazes de permitir uma melhor compreensão dos inúmeros dilemas que afligem o mundo atual é seu objetivo central.

Adaptação bastante alterada em relação à edição original em língua inglesa, essa nova bússola, organizada pelos professores Robert Brym (Toronto), John Lie (Berkeley), Cynthia Lins Hamlin, Remo Mutzenberg, Eliane Veras Soares e Heraldo Souto Maior (todos da Universidade Federal de Pernambuco), tem escopo abrangente. Se a edição original já denotava a preocupação em oferecer elementos de compreensão para uma gama quase infindável de problemas e temáticas, ainda que com o olhar voltado para o centro ou o norte do mundo, a edição brasileira, com a significativa contribuição dos sociólogos da UFPE, ampliou vários capítulos, itens, temáticas e olhares, acrescentando elementos analíticos que se mostraram imprescindíveis para uma melhor intelecção da experiência brasileira em seu ofício sociológico.

Concebido em cinco partes (“Fundamentos”, “Processos sociais básicos”, “Desigualdades”, “Instituições” e “Mudança social”), o temário é rico e diversificado, utilizando-se de vasta bibliografia, com forte ênfase na contemporaneidade. Os distintos caminhos da pesquisa, as diversas teorias e metodologias presentes na teoria social, as questões da ciência e da experiência, da cultura, da socialização (infantil e adulta), das desigualdades, da raça e da etnicidade, da sexualidade e de gênero são apresentados e desenvolvidos. Ou, ainda, o estudo da economia e do trabalho, dos sindicatos e dos movimentos sociais, da política e da democracia, da família, da religião e da educação, da comunicação de massa, da urbanização, da população e do desenvolvimento, tudo isso está desenhado de modo criterioso, ao mesmo tempo introdutório e cuidadoso, embasado em bibliografia ampla e atualizada, em que a problemática é oferecida, e a resposta é um desafio para o/a leitor/a.

A cada item apresentado, seguem-se um resumo, questões para reflexão e um glossário, o que confere um sentido didático necessário. O tema do aborto, as discussões sobre as políticas sociais no Brasil atual, o tema da moda, do riso e do humor, das trocas simbólicas, das redes e das burocracias, das classes sociais, das elites e das estratificações, das marcas, da subjetividade, da ecologia, da globalização, do terrorismo, das guerras, da violência urbana, das tecnologias, enfim, uma gama amplíssima de temas e pontos são oferecidos, descortinando um cenário que pode ser mergulhado pelo estudante que quer melhor conhecer os problemas contemporâneos da sociologia.

Pode-se ilustrar o volume com o capítulo dedicado ao trabalho. Longe de uma uniformização, ou ainda de um dualismo quase binário, tão ao gosto dos teóricos do fim ou da desconstrução do trabalho, o labor aparece em sua dimensão contraditória, que cria mas também subordina, humaniza mas degrada, liberta e escraviza, emancipa mas é fonte de alienação e estranhamento. Percorrendo um pouco da história do trabalho e de sua literatura especializada, o texto interroga desde o início: o trabalho é momento de salvação ou percurso da danação? E oferece um bom panorama, tanto de algumas tendências empíricas, como de algumas das complexas questões teóricas que conformam essa problemática.

O mesmo ocorre no capítulo dedicado às teorias da estratificação social, tema nodal da sociologia. De Marx a Weber, passando pelo amplo debate contemporâneo, procura-se oferecer os contornos mais gerais da controvérsia, de modo a municiar os/as leitores/as para que possam adquirir uma melhor compreensão do debate e, desse modo, exercitar a reflexão e a busca de respostas. A este ponto voltarei mais adiante.

O debate sobre o aborto, a questão do (des)armamento, são também elucidativos. Na trilha seguida pelo livro, apresentam-se os principais pontos da controvérsia deixando que as respostas sejam perseguidas pelos leitores/as.

A questão das cotas raciais nas universidades pode ser destacada como bom exemplo desse procedimento pedagógico: depois de uma longa exposição do capítulo denominado “Raça e etnicidade”, recuperando elementos das formulações de Morton, Lombroso, Gobineau, passando no Brasil pelos estudos de Nina Rodrigues, Sylvio Romero, Gilberto Freyre, Florestan Fernandes, enfrentando os contornos do debate contemporâneo sobre o dilema racial brasileiro, sobre o colonialismo e o mercado de trabalho (mais desigual e excludente em relação aos negros), o capítulo encerra-se com uma questão de grande importância e que está no centro do nosso debate atual: como se posicionar diante da política de cotas raciais na universidade brasileira ? Será um passo em direção à promoção de justiça ou uma espécie de racismo às avessas? Após indicarem a polêmica, os autores apresentam, então, alguns dos elementos centrais, favoráveis e contrários, deixando que o leitor/a reflita e busque elementos para sua resposta.

Claro que numa obra dessa envergadura, amplitude e densidade, algumas lacunas aparecem. Menciono alguns exemplos emblemáticos: apesar das freqüentes remissões aos clássicos, o universo contemporâneo sai mais fortalecido em face da herança dos fundadores da sociologia e da teoria social. A bússola tem os ponteiros mais voltados para a sociologia contemporânea, o que, aliás, é antecipado no Prefácio do livro, quando os autores anunciam que ” as novas perspectivas e abordagens teóricas obrigam a transcender o referencial clássico dado pelo funcionalismo, o interacionismo simbólico e as teorias do conflito “. Mas outros argumentarão que os clássicos ainda são a principal fonte (ou bússola) para se compreender as essencialidades presentes na modernidade.

Pode-se também exemplificar, uma vez mais, com o capítulo “Teorias da estratificação social” que, partindo das referências iniciais feitas a Marx e Weber, remetem ao debate contemporâneo acerca do ressurgimento da análise das classes, via indicações de Erik Olin Wright e John Goldthorpe, o primeiro se reivindicando herdeiro de Marx e o segundo, na esteira de Weber. Pode-se acrescentar que o debate em torno da validação (ou infirmação) conceitual das classes sociais teve outras inflexões decisivas, como a influência culturalista inglesa de Thompson (mencionado no livro) e Raymond Williams, a crítica a mercadorização e a fetichização do mundo feita pela Escola de Frankfurt (a partir do livro seminal História e consciência de classe do jovem Lukács), a problematização habermasiana presente em sua Teoria da ação comunicativa, bem como as críticas contemporâneas de P. Anderson (em relação a Thompson) e de István Mészáros (referida a Habermas), entre tantas outras. Mas isso talvez levasse o livro a uma dimensão por demais abrangente.

Na análise das instituições, poderia ter sido útil também a recorrência a Foucault e sua metáfora do panóptico. O sistema prisional (para não falar de seu prolongamento para as corporações ditas “modernas”) seria exemplo fértil para se perceber as distintas formas da dominação no universo microcósmico.

Por fim, há também um tratamento relativamente tímido em relação à temática das revoluções e das tentativas de implantação do socialismo ao longo do século XX, experimentos quase todos derrotados (o que por si denota a necessidade de sua melhor compreensão). Das significativas contribuições de Marx, como sua crítica premonitória acerca da impossibilidade do socialismo num só país e à necessidade de pensá-lo como uma processualidade histórico-mundial, ao desencanto weberiano em relação ao burocratismo (soviético), bem como o significativo debate contemporâneo acerca das causalidades do desmoronamento do empreendimento desencadeado a partir de 1917, tudo isso poderia merecer um capítulo à parte. Vale mencionar, nestas pequenas sugestões, que Marx aparece como responsável pela “teoria do conflito”, quando seria mais apropriado apresentá-lo como um “teórico da contradição”.

Mas a envergadura, o escopo, a seriedade, o rigor e a atualidade fazem do livro Sociologia: sua bússola para um mundo novo, uma bela publicação, justamente quando a sociologia volta com mais força a freqüentar nossas escolas.

Ricardo Antunes é professor titular de Sociologia no IFCH/Unicamp.

ANTUNES, Ricardo. Pistas da sociologia para um século atormentado. Rev. bras. Ci. Soc. , São Paulo, v. 22, n. 63, 2007 . Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69092007000100013&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 02 Dec 2007. doi: 10.1590/S0102-69092007000100013

Compartilhe
  • Print
  • Digg
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • MySpace
  • PDF
  • Posterous
  • RSS
  • Technorati
  • Tumblr
  • Bitacoras.com
  • email
  • Google Buzz
  • LinkedIn
  • Orkut

One Comment

  1. Muito boa a resenha do professor, realmente impressionante, esse livro é inevitavelmente necessário a todos sociologos, não do sociólogos, mas a todos que buscam compreender a nossa sociedade societária pôs moderna.
    Maravilhoso.

Deixe uma resposta

Campos requeridos estão marcados *.